quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Fantasia ou realidade... a lareira!

Após um banho relaxante em essência de jasmim, uma leve massagem de creme pelo corpo, visto um vestido preto colado ao corpo por cima de umas meias presas num cinto de ligas no mesmo tom do vestido... enquanto aguardo a tua chegada, preparo a mesa de forma requintada para receber o assado de peru com castanhas. Coloco em cima da mesa redonda uma toalha bordeaux em tecido de algodão, guardanapos a condizer, presos numa argola dourada, no centro uma vela dourada dupla que acendo, eliminando a restante iluminação. Coloco os pratos, os talheres e os copos para água e vinho, que ficaste de trazer, um rosé Mateus... ao canto uma lareira acesa para amornar o ambiente, e de fundo toca uma música suave, tornando o ambiente acolhedor... a um recanto da lareira o incenso de opiun queima lentamente... tudo está perfeito... a campainha toca, abro a porta, vestes uma calças vincadas em azul marinho, e uma camisa azul claro, avanças para mim, enlaças-me pela cintura e embrulhado num sorriso, beijas-me... no olhar trazes o desejo, a luxuria, que as mãos denunciam ao deslizarem levemente pelas minhas costas... entramos em direcção à sala, abres o vinho enquanto dou mais uma olhada ao assado, ainda falta um pouco... serves dois copos de vinho, e brindamos a nós, olhos nos olhos, as nossas bocas voltam a colar-se, retiras-me o copo que junto ao teu ficam abandonados em cima da mesa, e levas-me devagar pela mão para o sofá em frente da lareira, sentamos, olhamos olhos nos olhos, derretidos, a tua mão acaricia levemente o meu rosto, fecho os olhos para sentir esse gesto bem dentro da alma, onde pretendo deixar que entres... a tua mão desce pelo pescoço, aproximas-te de mim, bem junto ao ouvido, e sussurras: quero-te!... abro os olhos, e sinto esse olhar que tão bem conheço de quem jamais aceita uma recusa, de quem sabe o que deseja, de quem sabe que consegue o que quer... a tua mão já circula pela minha cintura, puxas-me para ti, e unes os teus lábios aos meus mais uma vez, saboreias o seu gosto entre os teus, sugas-los, lambes com a ponta da língua, produzindo descargas eléctricas, que circulam e aceleram o ritmo cardíaco, o sangue que me percorre as veias... o meu corpo encaixa no teu nesse beijo sôfrego e prolongado, de duas línguas que se devoram com intensidade... as mãos ganham asas, e passeiam por todo o meu corpo, descendo ao fundo do vestido curto, e fazendo-o subir... dás-me ligeiro espaço para me soltar dos teus lábios, e lamber com a ponta da língua a orla do queixo até à orelha direita, sentindo a tua respiração aumentar e misturar-se na minha de ansiedade, excitação, desejo de provar... o cheiro inalado pelos narizes fazem encolher a barriga, fechar as pálpebras, e as mãos não mais conseguem parar... deitas-me no sofá, e sinto o teu nariz enroscar-se no lóbulo da minha orelha direita, provocando arrepios, fazendo encolher ainda mais a barriga ansiosa de desejo... despes-me o vestido, livras-te do soutien, deixando livres os seios que acaricias com as mãos suavemente... e que em minutos são substituídas pela boca desejosa, que rapidamente os suga intensamente, ora um, ora outro, deixando-me completamente rendida à tua investida... e enquanto a boca abranda ligeiramente, e deixa a língua brincar com os bicos entesados, a tua mão desce e movimenta-se entre as minhas pernas, afastando o fio dental que protege a minha gruta, que se encontra húmida de tesão, e escalda a cada toque teu... os dedos movem-se intensamente, encharcando-se no meu mel... a língua abandona os bicos tesos para lamber a barriga, o umbigo, o monte de venus, rumo ao mel que agora é saboreado por lábios gulosos, ávidos de provar-me... os gemidos já não são possíveis de conter... é urgente sentir-te cada vez mais... dentro... os gemidos são cada vez mais altos, a boca invade a minha gruta com toda a intensidade, deixando o corpo rendido, clamando pela invasão do membro pulsante... as tuas mãos voltam aos seios, provocando arrepios sucessivos, incontroláveis... a tua boca abandona o sexo, e percorre todo o caminho até à boca, dando-me a provar o meu próprio gosto, e fundes-te em mim... o calor cobre os corpos de suor pelas bocas que se voltaram a unir, pelas mãos que se entrelaçam de forma urgente, pelo toque de todos os centímetros dos nossos corpos, tornando-nos num só... o incontrolável é impossível de prender a cada estocada profunda, os gemidos engolem todo o nosso desejo, a entrega um ao outro é total até ao derradeiro gemido intensamente libertado...

12 comentários:

AMANTES disse...

Gosto! gosto mesmo:))

Hot Spot disse...

Gostamos muito,...

Realidade ou fantasia...não importa...apenas o tesão..isso sim importa

abraços


HOT SPOT NO MSN:

hotspotonline@hotmail.com

Simplesmente disse...

a lareira é deliciosa... deixa tudo quente... TUDO

O Santo Diabinho disse...

Sublime devaneios, trabalhado com requinte e desejo escaldante dentro da mente. O prazer da escrita imaginativa aumenta a cada aventura publicada, esta sem dúvida a mais pormenorizada e mais real sobre o ser que habita dentro de ti. No texto absorves a tua essência feminina, o teu desejo e gosto pessoal por pequenos detalhes, que se vão apanhando ao longo da fantasia, pedaço por pedaço.

Novamente a minha intuição descreve a aventura como um misto de real e fantasia, desta vez bastante mais introspectiva, um texto mais pessoal, mais teu mas que não perde nem o sal nem a pimenta de ler calmamente até ao final.

Devaneio perfeitamente real que leva o leitor a entrar no cenário sentando-se junto da lareira quente a absorver a acção. A cumplicidade marca presença entre as duas personagens que se fundem e entregam até ao derradeiro gemido.

Oana Gomez disse...

Me,
que belo relato...
Wonderful!

Beijo ;)

Eros disse...

Uma lareira poderosa que empalidece perante a deflagração de dois corpos apaixonados.

Beijos!

Me disse...

Amantes,
Também gosto... muito! :)








Beijos

Me disse...

Hot spot,
Importa tudo e não só o tesão...







Beijo

Me disse...

Simplesmente,
A lareira aquece... mas os sentimentos conseguem aquecer mais...








Beijo

Me disse...

Santo,
Consegues ler-me um pouco mais além... sim, os pormenores fazem toda a diferença, sempre...


Cada aventura tem sempre uma fumaça de realidade por detrás...


Sentaste-te a ver, e ficaste caladinho??? Nem dei por ti no canto do sofá.




Beijo :)

Me disse...

Oana,
Obrigado!
:))







Beijos

Me disse...

Eros,
Excelente, é verdade a lareira simplesmente ficou apagada com o desenrolar da história. Achas que a acenda novamente????






Beijos