domingo, 20 de novembro de 2011

Fantasia ou realidade... o desconhecido!

Era uma noite em pleno verão... quente, ofegante... convidativa a sair. Tomei um banho rápido, vesti umas calças pretas justas de cabedal, por cima uma túnica branca, com leve decote, e semi-transparente, denunciando a sombra das minhas curvas... coloquei o meu perfume predilecto, com aroma a rosas silvestres e violetas, olhei-me no espelho de alto a baixo, admirando-me, passei o batom vermelho nos lábios e sai. Circulei pelas ruas da cidade com a música invadindo os meus ouvidos, abafando todo o barulho exterior da cidade... apetecia-me dançar. Parei em frente à discoteca, entrei no estacionamento e segui para o interior da mesma. A música alta ressoava no seu interior, fazendo o chão bater debaixo dos pés, fui ao bar e pedi um licor beirão com gelo, e subi ao primeiro andar, com vista privilegiada para a pista de dança. Ainda haviam poucos a dançar, a pista estava mornamente adormecida... observei atentamente os movimentos dos que dançavam, dos que riam encostados aos vários balcões em redor da mesma, e vi gradualmente a pista a encher. O meu corpo pedia movimento, contorcia-se de ansiedade, terminei o licor de um só golo, e desci calmamente as escadas em cima dos meus saltos altos dirigindo-me à pista. Deixei-me lentamente envolver pela música, pelos acordes que pareciam contornar todos os meus movimento, até uma entrega total de corpo e alma... dancei, dancei, e dancei... o calor invadia o meu corpo, os batimentos cardíacos aumentavam a cada segundo... fechei os olhos e abandonei-me totalmente ao ritmo... no outro canto da pista um par de olhos observava-me, e foi-se aproximando lentamente... quando abri os olhos, o seu magnetismo prendeu imediatamente os meus olhos, pela intensidade com que me despiam ao bailarem nos movimentos do meu corpo. Cantarolava a letra da música, apercebi-me que fazia o mesmo, olhando no fundo dos meus olhos sem desviar... a atracção fazia-se sentir cada vez mais, o desejo invadia agora as nossas mentes, que desejavam um aproximar cada vez maior, estávamos a escassos centímetros, podia sentir o seu perfume de homem, rodopiei na pista e virei-se de costas para ele, encostei-me gradualmente até sentir aquele corpo suado, quente a roçar no meu, em movimentos cada vez mais sensuais, envolventes... num movimento único ele agarra-me a cintura e cola totalmente os nossos corpos, fazendo-me sentir o seu tesão... ao mesmo tempo que ao meu ouvido sibilava palavras quase inaudíveis de desejo, provocação... incendiando ainda mais a vontade que já tinham de o possuir... as suas mãos já circulavam livremente dentro das minhas calças, sentindo toda a minha humidade e desejo, provocando arrepios por toda a minha pele, num desvairo crescente de me deixar possuir por aqueles dedos atrevidos, que rodeavam o que pretendiam invadir, deixando que a ansiedade aumentasse ainda mais o crescente desejo... sentia a respiração cada vez mais ofegante,  o coração parecia querer saltar-me pela boca de tanto que batia acelerado... gemo baixinho...  sinto-me invadida pelos dedos que me acariavam, penetrando-me vezes sem conta, contorço-me de modo a reter o orgasmo que desejava sentir... estava a enlouquecer... persentindo o que se passava, retirou a mão humedecida, deixando-a ficar na minha barriga mais uns minutos, e sussurrou, vamos sair daqui!... Pagamos a conta, e saímos apressados em direcção ao carro dele, estacionamos em frente ao mar, abrimos ligeiramente os vidros e deixamos que o sussurro do mar invadisse o carro... olhamos-nos, dispensamos as palavras, as mãos tornaram-se atrevidas e circulavam pelos nossos corpos escaldantes que anteriormente se movimentavam na pista de dança,  tirei as calças e sentei-me no colo dele... as bocas silenciaram-se por completo quando as nossas línguas se entrelaçaram uma na outra numa volúpia de quem se queria devorar... os nossos corpos suados apertavam-se um contra o outro, a vontade que nos consumia exalava por todos os poros... senti-me invadida pelo seu mastro, e cavalguei enlouquecida, num ritmo cada vez mais forte, sentindo o sangue a fervilhar cada vez mais, o coração a bater, os sentidos a abandonar-me por completo... o fogo consumia-me... foi impossível aguentar mais, senti o orgasmo percorrer-me o corpo todo, sosseguei breves segundos, e continuámos, aumentando ainda mais o ritmo, sentindo-o a entrar e a sair de dentro de mim... até voltar a sentir uma nova onda de choques pelo corpo, finalizado por gemidos comuns de ambos...

16 comentários:

Gonçalo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=hcm55lU9knw

Me disse...

Gonçalo,
Não é propriamente a minha onda, mas serve para bater o pé!





Beijo

Fogo disse...

Fogo...

Ulisses disse...

Gostei!

Muito bem (d)escrito(?)...

:)

O Santo Diabinho disse...

Avanço interessante na escrita.
Ousadia saída da casca, escrita inquieta que te deixa inebriada a cada frase que soltas. Quase que se sente o flash de energia que se liberta da tua mente para as mãos que escrevem.

Provocante descrição de sentidos, palavras quentes que aquecem corpos, mentes que se estudam e descobrem. Fantasia E Realidade...

;)

Vulcano disse...

Noite boa, final muito bom... grandes recordações...
Sei o isso é!

Beijos

Ness disse...

Uma banheira borbulhante, movimentos desafogados, cheiro a alfazema, música suave, luz trémula...

Me disse...

Fogo,
Onde??? Onde???...





Beijo

Me disse...

Ulisses,
Obrigado!
Vindo de alguém que escreve é um elogio que sabe ainda melhor! :)





Beijos

Me disse...

Santo diabinho,
É verdade!
Conseguiste sentir o flash de energia?!... Olha que foi quase um relâmpago!




Beijos :)

Me disse...

Vulcano,
Sabes nada!...





Beijos

Me disse...

Ness,
Pormenores interessantes!
Posso usar num dos meus próximos capítulos realidade ou fantasia?!...





Beijos

Ness disse...

You, estás à vontade. Eu usei a arma num dos meus e nem te pedi autorização. Mas prometo que não volto a ser indelicado :)

Me disse...

Ness,
Autorização concedida, podes usar as fotos que quiseres, são de dominio público.





Beijos

Orquídea Selvagem disse...

Ainda não tinha tido a oportunidade de ler este teu texto. Sabes que estás a escrever cada vez melhor?
Do mesmo modo que "a função faz o orgão"... também o exercício constante da escrita aperfeiçoa o escritor.

Parabéns.

Beijos ao som da música :)

(a música que escolheste é fantástica!)

Me disse...

Orquidea,
Sabes que também acho o mesmo... eheheheheh
Isto é auto-estimulante! ;)

Obrigado pelo elogio, fico sempre vaidosa...



Beijos :D